sexta-feira, março 18, 2005

SANTA MARIA, GASOLINA EM TEU VENTRE!

Image hosted by Photobucket.com

O CD da Zounds que reune free terminator / falcão solitário sem ser distorção (Ama Romanta, 1989) e o EP Go West, Celine (Ed. autor, 1991) dos SANTA MARIA, GASOLINA EM TEU VENTRE! é um sério candidato à reedição do ano a nível nacional. O LP recorda-me o ano de 1989 e as noites passadas a ouvir a Ilha dos Encantos, do Amílcar Fidelis, na Antena1. Há alguns anos, estava o disco completamente esquecido, deixei dois dedos de prosa no Fórum Sons que despertaram alguma curiosidade pela música. Aqui fica na expectativa de abrir o apetite por esta edição há muito esperada:

Ok, querem qualquer coisa simples?

Que tal dadaísmo aplicado ao rock? Ou noise rock literário? Ezra Pound e a loucura do leopardo buzinado? Hoje, como há treze anos atrás, continua a ser dificíl qualquer tentativa de classificar o único álbum dos SMGETV!

Sempre podemos imaginar qualquer coisa como a essência metálica dos Sonic Youth derretendo debaixo de temperaturas infernosas. Metal a pingar. Melaço sonoro deslizando em camadas sobrepostas. Estridência abrasiva. Ferrugem em sublimação. No entanto, não se iludam: no céu desta paisagem irrespirável de enxofre colidem atmosferas mágicas e dele despenham-se torrões áridos de melodia.

Como qualquer outra besta indomável, "Free-Terminator ou Falcão Solitário Sem Ser Distorção" ganhou cedo uma vida própria e escorreu da mesa de mistura, através dos amplificadores, revoltando-se contra os seus próprios criadores.

Jorge Ferraz: ... a coisa entrou em delírio e exagero. Cheguei a meter mais cinco guitarras em cima, uma coisa doida. Foi uma maluqueira para misturar aquilo. A esse nível, perdi completamente o controlo da gravação. Nenhum dos dois (produtores - Ferraz e João Peste) deu conta do recado (...) Tive mesmo que me tratar em otorrinologia.

A crueldade da criatura acabaria por se reflectir sobre a música moderna portuguesa ensombrando a vaga de bandas portuguesas que, durante a primeira metade dos anos 90, imitaram sem rasgo o noise rock dos anos 80. Em 1989, os SMGETV! já tinham tomado, momentaneamente, a camisola amarela, fugido do pelotão encabeçado pelos Sonic Youth e percorrido solitariamente geografias sonoras que, ainda hoje, caem fora dos limitados mapas musicais do rock.

É urgente recuperar este álbum. Em vinil. Porque não cabe em nenhuma rodela de acrílico: é demasiado selvagem para se deixar digitalizar.

[ para mais informações, recorram ao excelente texto do Rui Catalão sobre este álbum publicado em «Os melhores Álbuns da Música Portuguesa 1960-1997» (Público/FNAC, 1998) ]

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Olá!

Como não encontrei um endereço de email do teu blog, resolvi pôr isto aqui (até porque está mais ou menos relacionado...)

O site dos Pop dell' Arte já está on-line:

www.popdellarte.net

have fun!
P.

1:02 da tarde  
Blogger Beep Beep said...

Verdade. O disco tem pontos de contacto com "Confusion Is Sex", "Bad Moon Rising", "Evol" ou "Sister". Mas ao contrário de outros, consegue esticar a corda e seguir um caminho próprio, em vez de ficar a meio. "El Pasao" merece ser recuperada em vários PAs. :)

1:27 da tarde  
Blogger Familycat said...

Olá

Obrigado pela referência ao site dos POP DELL' ARTE. Volta e meia costumo limpar o pó aos meus vinis do "Querelle" e do "Free Pop" ;)

Nuno, era precisamente o "El Pasao" que o Fidelis passava com insistência n'A Ilha.

10:19 da manhã  
Anonymous Marble Giant said...

ah, belo programa de rádio esse!

9:54 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home