quarta-feira, abril 27, 2005

MARY LORSON & SAINT LOW - Realistic

Image hosted by Photobucket.com

As melodias de Realistic caem suavemente sobre quem as ouve como um véu translúcido de notas de piano ornamentado com guitarras acústicas, acordeões, órgão, instrumentos de sopro, violinos e violoncelos, com o ocasional reflexo dourado da steel guitar e do mandolim, descobrindo monólogos sobre as vicissitudes das relações e a qualidade agridoce da solidão à entrada dos 40. Seria este o disco que Kristin Hersh gravaria se soubesse como dar continuidade à sua veia mais despojada, ou mesmo Aimee Mann se tivesse uma voz menos vulgar e inexpressiva. Mas a grande qualidade de canções como Realistic, a frágil Spider ou a Ties That Bind é não possuírem nos arranjos ou temas o lastro pesado das modas e modernidades, a garantia de que as ouviremos daqui por 20 anos sem terem envelhecido um dia que seja. Como consequência, está condenado à invisibilidade entre os caçadores de novidades e videntes das novas tendências. Para mim, é um dos discos do ano e confirma MARY LORSON como a mais apaixonante escritora e intérprete de canções da actualidade.