terça-feira, abril 12, 2005

THE RUTS - The Crack

Image hosted by Photobucket.com

De regresso à vaca fria! Por volta de 1979, a ferocidade punk tinha cedido o lugar a uma angústia opressiva enquanto a premissa destruidora era substituída por um sensação de sufoco quase paranóide bem ilustrada, de resto, na música de bandas como os JOY DIVISION ou os THE SOUND. Os THE RUTS foram uma das bandas vitais nesta segunda vaga muito por força da capacidade de assinar hinos memoráveis (Babylon's Burning, Something That I Said, In A Rut) sem descurar a urgência e velocidade que seriam a matriz do movimento hardcore. Sobretudo, tinham trunfos na manga que lhes permitiam segurar a atenção do ouvinte para lá da ortodoxia punk dos 2 minutos (os quase 7 minutos de It Was Cold são um bom exemplo) misturando dub e ritmos reggae (Jah War precede por alguns meses Guns of Brixton) e exibindo uma destreza técnica ainda pouco habitual entre os seus pares (Paul Fox enxovalhava a maior parte dos guitarristas da época e o entrosamento com a secção rítmica é admirável). A energia militante e politicamente comprometida do vocalista Malcolm Owen completava o ramalhete. É fácil ouvir ecos do seminal The Crack em grupos tão distintos como os CHAMELEONS, NOMEANSNO, FUGAZI ou, se quiserem referências mais contemporâneas, os AT THE DRIVE-IN. Nos últimos tempos, os THE RUTS têm recebido algum destaque que lhes havia sido roubado pelo fim prematuro em 1979. Se ouvirem The Crack percebem facilmente porquê.